Mary Gordon

mary_gordonRoots of Empathy / Canadá – www.rootsofempathy.org

Mary Gordon elaborou um programa que visa diminuir as agressões e violência em escolas. Seu Roots of Empathy deu tão certo que hoje ele está implantado em mais de 450 escolas. Trata-se de um programa feito em salas de aula em que bebês de dois a quatro meses são levados a turmas de adolescentes. A idéia é mostrar aos mais velhos a necessidade do cuidar, do atender, do estar perto. É como se fosse uma alfabetização emocional.

O que faz a Roots of Empathy

O Roots of Empathy (raízes da empatia) é um programa realizado em salas de aula desde 1996 que reduziu significativamente os níveis de agressão entre jovens nas escolas por meio do incentivo do relacionamento com bebês – sempre um deles em um grupo, acompanhado de um instrutor adulto. Esses bebês catalisam a experiência da percepção de seus próprios sentimentos e o do outro, resultando em uma cultura de mais afeto e compreensão.

O que Mary Gordon diz em Quem se Importa

“É uma oportunidade para que alunos numa sala de aula criem seu entendimento social e emocional. Para que sejam capazes de cuidar do outro, de aprender sobre a experiência do outro. E o que acontece neste programa é que, quando a empatia deles, a habilidade de entender os outros aumenta, todas as coisas ruins, como bullying, diminuem”.

“Existe uma grande tendência chegando à educação que reconhece a pesquisa que diz: O melhor motor para o aprendizado é como nós nos sentimos”.

“Há duas partes para a empatia. Tem a parte da ‘tomada da perspectiva’, que é o aspecto cognitivo da empatia. É a habilidade de imaginar como a outra pessoa se sente. E se nós não podemos fazer isso, não podemos chegar ao primeiro estágio de resolução de conflitos, não podemos esperar que haja altruísmo no mundo. Mas a outra parte da empatia é a ética do cuidado. É essencial para a nossa humanidade e por isso você precisa destes relacionamentos afetuosos para estimular o desejo de querer cuidar dos outros”.

“Eu não acho que temos o direito de desistir de nenhuma criança, seja ela de 4 ou 14 anos.”

“Para crianças pequenas se decidirem ser cuidadosas ou prestativas para o mundo, elas precisam ver exemplos de cuidado e de ajuda. É quase como se empatia não pudesse ser ensinada, mas pudesse ser ‘pega’. É viral.”